Compartilhe as últimas notícias do Brasil!

Os professores da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) entraram em greve nesta segunda-feira (10) por tempo indeterminado. A decisão foi feita após uma reunião entre a reitoria da Universidade com a Associação de Docentes da UFCG (ADUFCG).

A UFCG adere a greve nacional da educação federal, que já atinge 63 universidades. A categoria docente pede reajuste salarial, paridade entre professores ativos e aposentados, reposicionamento dos aposentados na posição relativa ao teto da carreira em que se encontravam no momento da aposentadoria.

A categoria também solicita a recomposição do orçamento das instituições federais de ensino superior de, no mínimo, R$ 2,5 bilhões, em 2024.

Confira o comunicado na íntegra:

COMUNICADO

A Reitoria da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) se reuniu – em plataforma virtual – com representantes das associações de docentes ADUFCG e ADUF-Patos, na manhã deste sábado, dia 8, para tratar sobre os encaminhamentos decorrentes da deflagração da greve dos professores, a partir da próxima segunda-feira, dia 10.

Após debater as pautas apresentadas, a Reitoria se comprometeu a enviar as demandas das seções sindicais – referentes à suspensão de matrículas e do calendário acadêmico do período 2024.1 – para a apreciação e deliberação do Colegiado Pleno do Conselho Universitário, considerando a amplitude da matéria e a necessidade de uma discussão com a comunidade acadêmica acerca das questões relacionadas ao tema.

A previsão é que a reunião extraordinária do Colegiado Pleno aconteça dentro do prazo regimental, a partir de 48 horas após a sua convocação, que ocorrerá tão logo o comando de greve oficialize a demanda, junto à Reitoria. Até a deliberação deste colegiado, as ações administrativas, nestas incluídos os procedimentos de matrícula, seguirão o curso normal.

Campina Grande, 8 de junho de 2024

Reitoria da UFCG